Sespa inicia monitoramento dos agravos à saúde no Círio

Alberto Beltrame mostra como será feito o monitoramento

O secretário de Estado de Saúde oficializou, nesta terça-feira (08), o funcionamento do Centro Integrado de Operações Conjuntas da Saúde (Ciocs), que vai monitorar os incidentes relacionados à saúde durante o Círio 2019.

O Centro de Operações é um projeto novo, que vai fazer a vigilância dos atendimentos de pessoas em unidades de pronto atendimento e prontos socorros com alguma situação clínica relacionada ao Círio de Nazaré. Além das doenças infecciosas, serão monitorados os danos físicos e os danos associados ao comportamento ou condições do público, ao meio ambiente e às atividades laborais.

Alberto Beltrame disse que se trata de um trabalho inédito e importante que será realizado pela primeira vez na maior festa religiosa do Brasil. “Será possível obter informações precisas sobre os problemas de saúde que afetam a população participante do Círio e o perfil dessas pessoas, como faixa etária, sexo e residência, permitindo um relatório detalhado que ajude os gestores de saúde a adotarem medidas preventivas antes do Círio 2020”, explicou o titular da Sespa.

Beltrame destacou o fato de todas as informações poderem ser coletadas em tempo real pelos entrevistadores que estarão nas 19 unidades de saúde em Belém e Ananindeua, a possibilidade de uma equipe de saúde intervir imediatamente no controle de algum agravo e as pessoas envolvidas receberem a atenção à saúde necessária. Como exemplo, ele citou um surto de diarreia. “Vamos ter condições de identificar a causa, atender às pessoas, e evitar que o problema se propague”, enfatizou o secretário.

Outro exemplo dado por ele, foi um caso suspeito de sarampo, que é uma preocupação da Sespa. “Não espero que tenha, mas se aparecer algum caso suspeito, temos como intervir, tratar o paciente e iniciar a vacinação de bloqueio imediatamente”, disse Beltrame.

Secretário de Estado de Saúde, Alberto Beltrame

O secretário ressaltou que das 19 unidades participantes, 17 pertencem ao Sistema Único de Saúde (SUS) e estarão prestando serviços de atenção à saúde da população. “Vamos fazer um trabalho de cuidado com os romeiros, que vão participar de todos os eventos do Círio, seja antes, durante ou após a procissão principal no domingo”, garantiu Beltrame, lembrando que as duas unidades privadas estarão aptas a atender os usuários de planos de saúde particulares.

Por fim, Alberto Beltrame agradeceu pela presença e a parceria das instituições envolvidas no trabalho, apresentou a sala onde está instalado o Centro de Operações e toda a infraestrutura montada para o funcionamento do serviço.

O diretor de Vigilância em Saúde da Sespa, Amiraldo Pinheiro, disse que serão monitorados todos os eventos em saúde que ocorrerem nas unidades que estão disponíveis para atendimento durante o Círio. “Estamos prontos para a operacionalização desse trabalho e fechar um perfil para ser divulgado para a sociedade, para nós, enquanto sistema de saúde, e que nos dê possibilidade de melhor organizar os serviços para o ano seguinte”, disse Amiraldo.

Alberto Beltrame e Ivete Vaz com diretores da Sespa, representantes de instituições parceiras e equipe do Centro de Operações

Parcerias – Para a realização desse trabalho, a Sespa conta com o apoio do Cievs Nacional e do Programa de Treinamento em Epidemiologia Aplicada ao SUS (EpiSUS) do Ministério da Saúde, da Associação Brasileira de Profissionais de Epidemiologia de Campo (Proepi), das Secretarias Municipais de Saúde de Belém e Ananindeua, da Cruz Vermelha Brasileira, da Defesa Civil, da Universidade da Amazônia (Unama) e da Faculdade Metropolitana da Amazônia (Famaz).

Envolvendo um total de 1.366 pessoas, sendo 120 ligadas diretamente ao Centro de Operações, o monitoramento será realizado no período de 7 a 16 de outubro, sendo três dias no pós-Círio e contará com a participação importante da equipe do EpiSUS, que tem experiência e prática de epidemiologia de campo, com coleta e análise de dados e da Proepi, que também tem vasta experiência com eventos de massa. O Centro funciona 12 horas por dia na sede Sespa, sendo que a partir das 6h de sábado (12) terá um funcionamento ininterrupto de 36 horas até às 18h do domingo do Círio.

Coleta de dados – A coleta de dados será feita por alunos das Universidades parceiras desta ação, com o uso de tablets, nas diversas unidades de saúde, como o Hospital do Pronto Socorro Mário Pinotti, Hospital Porto Dias, UPA da Sacramenta, UPA da Terra Firme, a Unidade Básica de Saúde da Pedreira e Casa de Plácido.

Conforme a programação do Círio vai avançando, o trabalho do Centro vai se ampliando. Assim, a partir do dia 11, quando a imagem da Santa é levada para Ananindeua, serão ativados os pontos de coleta no Posto da Cruz Vermelha no TJE, UPA Cidade Nova, Hospital Camilo Salgado, Unimed BR, no Colégio Salesiano do Carmo.

Texto: Roberta Vilanova

Fotos: José Pantoja

Você pode gostar...